O jardim do avô e da avó

A Lucy adorava visitar o avô e a avó. Viviam numa casinha no campo, rodeada de um grande e bonito jardim.
O avô e a avó adoravam estar juntos no seu jardim e estavam sempre lá, ocupados a cavar, a tirar ervas daninhas, a podar e a plantar.
Também gostavam muito das visitas da neta, a Lucy, porque era uma menina muito interessada e trabalhadora.
A avó gostava de tratar dos canteiros, enquanto o avô adorava tratar dos legumes.
A avó tinha flores de todos os tipos: margaridas, girassóis e miosótis.
Mas as suas flores favoritas eram as rosas. Adorava as suas cores, as suas pétalas delicadas e o seu perfume maravilhoso.
O avô cultivava legumes de todos os tipos em fiadas muito direitas. Tinha cenouras, couves, beterrabas, ervilhas e favas.
Ficavam no jardim o dia todo, do nascer ao pôr-do-sol, parando apenas para tomar uma chávena de chá e comer uma fatia do bolo de frutas delicioso que a avó fazia.
O avô elogiava as flores da avó e esta admirava os legumes do avô.
Viviam felizes juntos, e ficavam ainda mais contentes quando a Lucy os vinha ajudar. Ensinavam-na a semear, a tomar conta dos rebentos novos, a podar, a tirar ervas daninhas e a colher os legumes e flores frescas.
No entanto, estes dias felizes não duraram para sempre. Infelizmente, a avó ficou doente. Estava tão debilitada que nem sequer podia sair da casa e ir até ao seu adorado jardim.
O avô colocou a cama deles junto da janela, para que ela pudesse ver as suas flores maravilhosas. Também lhe cortava um raminho todos os dias e colocava-o numa jarra junto dela, para que pudesse cheirar o seu perfume.
E foi nesta cama que, numa manhã tranquila, a avó olhou pela última vez o seu jardim adorado. Sorriu, fechou os olhos e morreu nos braços do avô.
A Lucy não pôde ir logo ver o avô. A mãe disse que era melhor esperar um pouco.
Quando finalmente o foi ver, ficou muito triste por o ver na varanda, sentado na cadeira de baloiço.
O jardim também parecia triste, com ervas daninhas a crescer por entre as flores, e os legumes tinham, entretanto, secado e mirrado.
O avô disse à Lucy que se sentia triste quando ia ao jardim e que tinha muitas saudades da avó.
A Lucy ficou a olhar para o jardim abandonado.
– Avô, o jardim não te recorda os tempos felizes que passaste com a avó?
O avô continuava triste. Lucy pegou na mão dele com gentileza.
– As rosas não te fazem lembrar as faces rosadas da avó? – sussurrou.
O avô sorriu ligeiramente.
– E os miosótis não te lembram os seus olhos azuis?
O avô sorriu mais.
– E os girassóis fazem-me lembrar o sorriso da avó. Parece que a estou a ver – sorriu a Lucy abertamente.
O avô tinha agora lágrimas de felicidade nos olhos e abraçou a neta.
– Tens razão! Também consigo vê-la. Vem daí! Temos coisas a fazer!
A Lucy passou todo o seu tempo livre dos anos seguintes a tomar conta do jardim com o avô.
Num fim de tarde tranquilo, enquanto tomavam uma chávena de cacau na varanda, cansados mas felizes com o trabalho que tinham feito, a Lucy disse:
– O jardim também me fará lembrar de ti.
O avô sorriu, apertou a mão da neta e fechou os olhos, com a certeza de que o jardim deles estaria sempre em boas mãos.

Neil Griffiths
Grandma and Grandpa’s garden
Wiltshire, Red Robin books, 2007
(Tradução)

Anúncios

7 thoughts on “O jardim do avô e da avó

  1. Adorei este conto.
    E o melhor conto que ja li ate hoje, espero que continuo a publicar contos assim tao bonitos,especiais,alegras e carinhosos.
    Nao tenho mais palavras para descrever este conto e muitooooooooooooooooooooooooooooooo bonito.
    Continue assim, vai – me ter aqui a ler os seus contos todos, pode crer!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s